História do Circuito de Vila Real

História do Circuito de Vila Real

Para quem não conhece a história do Circuito de Vila Real, pode achar que este é um circuito recente e sem grande história. Mas a realidade é bem diferente.

O início do Circuito de Vila Real começou devido ao entusiasmo de várias pessoas pelas corridas, isto ainda no início dos 20. A ideia de criar uma corrida de automóveis num percurso relativamente curto foi ganhando dimensão, graças a paixão pelas corridas de nomes como Aureliano Barrigas, Luís Taboada, José Augusto Taboada, Emílio Botelho, entre outros que naturalmente se juntarem para alimentar e tornar possível esta ideia, que foi ganhando força com o decorrer dos anos. Lembremo-nos apenas que naqueles anos não existiam tantos carros como existem hoje, e que a cidade estava num processo natural de crescimento. Foi então em 1931 e integrado nas festas da cidade que se viria a realizar o primeiro circuito de velocidade em Portugal.

Aureliano Barigas- inicio do circuito de vila realPara que fosse possível a sua realização foi inclusivamente criado um imposto de 40 $ por cada quilo de carne vendido, tudo para que fosse possível financiar os gastos que as festas e as corridas em particular criavam. Mas o grande o fator que fez com que as corridas se realizam-se foi a paixão daqueles que idealizaram a prova, tendo como nome maior desta paixão Aureliano Barrigas.

Em 1931, o Circuito de Vila Real, entra para a história como sendo o primeiro circuito onde se realiza uma prova de velocidade. O percurso deste Circuito de Vila Real contava com 7,150 metros, sendo que nos primeiros anos parte do circuito era feito em terra, o que dificultava a vida as condições de visibilidade aos concorrentes.

A dureza do traçado era evidente, e as 20 voltas ao circuito o que resultava num total de 143 quilómetros, não facilitava a vida aos pilotos.

Para o público foi criada uma bancada com a capacidade de 600 lugares e uma zona de peões, o restante do circuito estava interdito ao público.

A organização da prova era local, mas o ACP teve controlo direto, auxiliando a organização em tudo o que foi necessário. Sendo esta uma primeira vez a segurança foi uma preocupação e exemplo disso era a especificidade de as ultrapassagens apenas serem permitidas pela esquerda e dever de assinalar a mesma utilizando o sinal sonoro.

Na altura não existiu qualquer treino de adaptação a pista ou qualificação, a posição dos concorrentes era determinada através de sorteio.

Esta primeira prova foi ganha por Gaspar Sameiro, no seu Ford A.

Terminada a prova e dado o seu sucesso estava lançado o mote para que o mesmo continuasse o que se verificou logo no ano seguinte em 1932.

Até 1933 Gaspar Sameiro mostrou a sua autoridade ao vencer ao 3 primeiras edições do Circuito de Vila Real.

Em 1934 houve uma novidade no Circuito de Vila Real, que foi a estreia das corridas de motos. Na altura as corridas de motos eram mais populares que as de carros devido ao maior de pilotos de motos, o custo dos automóveis fazia com que só as elites tivessem acesso aos mesmos.

Motas no Circuito de Vila Real 1936

O Circuito de Vila Real continuaria até 1939, ano em que foi interrompida devido ao começo da Segunda Grande Guerra.

Apenas 10 anos depois Vila Real voltaria a receber uma prova de automobilismo. Nova interrupção de 1953 a 1958 para obras de reestruturação do circuito, com a implementação de um novo traçado, mais reduzido. Foi sol de pouca dura, pois apenas nesse ano (1958) se realizaram as provas, ocorrendo nova interrupção até 1966.

Vila Real 1936..n.º 15 Edward K. Rayson em Bugatti 35C

Depois de uma interrupção de oito anos nas corridas de Vila Real, em 1966 é criada a “Comissão Permanente do Circuito de Vila Real”, que ficou encarregue de organizar a prova, o que fez de 66 a 73. A comissão ficava assim responsável pela organização da prova e apostou forte na internacionalização do circuito.

Foi a época de ouro do circuito, com grandes nomes e grandes máquinas a percorrerem o traçado vilarealense, levando a que fosse considerado o melhor circuito português e um dos melhores da Europa, aclamado por pilotos, mecânicos e fãs.

Neste período competia os fórmulas V que se estrearam em Vila Real em 1966, mas também os Fórmula 3, carros de Gran Turismo, Turismo e Protótipos.

Circuito internacional de vila real - história

Carros cheios de carisma e vibrantes como por exemplo os Lola T70, Ferrari P4, Ford GT40, ou Chevron B8.

Estes foram anos em que Vila Real e o seu Circuito ocupavam muitas vezes as primeiras páginas dos jornais e revistas de deporto motorizado. Várias provas ficaram para a história do desporto motorizado nacional, mas decidimos destacar as 6 Horas de Vila Real em 1969.

A expetativa para a prova era bastante e inscreveram-se 40 carros, mas no dia apenas compareceram 28 equipas. De qualquer maneira este foi um dos eventos grandes no Circuito com uma projeção internacional.

As edições seguintes de 70, 71 e 72 foram um sucesso, mas a crise petrolífera e a revolução de Abril levaram a nova interrupção em 73, que apenas terminaria em 79, quando voltaram a realizar corridas, embora não com a afluência de outros anos. As edições de 80 e 81 verificaram um interesse cada vez maior em volta das provas em Vila Real e em 82, com a primeira prova do campeonato nacional de velocidade, o circuito voltava a respirar as emoções vividas nos anos 60. Até 1991 as corridas mantiveram-se, até que nesse fatídico ano, um acidente grave levou à morte de 4 espectadores para além feridos, o que levou à suspensão das corridas.

A vontade de ter novamente corridas em Vila Real, foi sempre uma constante, e em todos os eventos de desporto motorizado por este país sempre se falou no mítico Circuito de Vila Real.

Um dos pontos de viragem para o regresso do Circuito foi dado em 2004, com a realização de um Revivel do Circuito de Vila Real, onde se juntaram carros como o Porsche 917, o Ferrari 330 P4, o Lola T212, Bugatti 35B, Mercedes 300 SL entre outros.

Foi em 2007 que as corridas regressaram à capital transmontana, com a organização do 40º Circuito de Vila Real, que tinha como grande objetivo homenagear o campeão Manuel Fernandes falecido em 2005. Em 2008 as corridas voltaram a Vila Real integradas no programa das festas da cidade e continuaram em 2009 e 2010. Na última edição notava-se um claro desinvestimento por parte dos pilotos devido às dificuldades financeiras que o desporto automóvel sofria.

Finalmente em 2014, o circuito vilarealense voltou, e com um fôlego renovado. A pista foi modificada e a vontade de tornar o circuito internacional era real.

Vila Real 1958..Stirling Moss.VencedorPoderíamos estar horas a falar sobre este circuito, porque são tantas histórias e tantos nomes que passaram por Vila Real: “Nicha” Cabral, Ronnie Peterson, Giannone, David Piper, Stirling Moss Manuel Ferandes, Pêquêpê, Ni Amorim, Mário Silva, António Rodrigues, António Barros, Jorge Petiz, Joaquim Moutinho, António Carreira, Fernando Peres, Sidónio Cabanelas e os mais recentes César Campaniço, Joaquim Jorge e Pedro Salvador, o actual detentor do record do traçado e nas motos Angel Nieto, Carl Fogarty, Joey Dunlop. Uma lista (incompleta) de nomes nacionais e internacionais que brilharam em Trás-os-Montes. Lutas fenomenais, máquinas lindíssimas. Um historial que dificilmente se encontra noutro circuito do país.

Vila Real tem história, tem tradição e tem a paixão necessária para se tornar de novo numa referência a nível nacional e internacional.

Há muita coisa que mudou desde a primeira corrida até aos dias de hoje. Mas há algo que se mantém inalterado… a paixão pelo desporto automóvel e pela competição. É algo que está na matriz de Vila Real. Algo que teima em se esconder ciclicamente e até a ser esquecido de vez em quando, mas que no fundo está enraizado nas pessoas que querem as corridas. E que vibram com elas. Que este novo fôlego possa trazer estabilidade e que o Circuito de Vila Real se possa manter, crescer e voltar a ser um dos melhores.

Veja um pouco mais das imagens que ficaram na história do Circuito de Vila Real.

Circuito internacional de vila real - história
Circuito internacional de vila real - história
Circuito internacional de vila real - história
Circuito internacional de vila real - história
Circuito internacional de vila real - história
Circuito internacional de vila real - história
Circuito internacional de vila real - história
Vila Real 1936..n.º 15 Edward K. Rayson em Bugatti 35C
Motas no Circuito de Vila Real 1936
Recommended Posts

Leave a Comment